Categorias
Uncategorized

Quanto custa um sistema de energia solar?

Energia e automação

O Brasil é um país com grande incidência solar, pois esta atinge a terra por mais de duas mil horas por ano. A Região do Nordeste, por exemplo, tem um ótimo potencial para geração de energia fotovoltaica, pois recebe uma incidência média diária de luz que varia o equivalente a 4,5 a 6 kWh. Hoje vamos abordar nesse artigo quanto custa um sistema de energia solar.

Primeiramente, vamos explicar como funciona um sistema de energia solar. A energia de uma sistema solar é produzida pelo contato da luz com os módulos fotovoltaicos. Ela é levada até o inversor, que transforma esta energia naquela que utilizamos em nossos eletrodomésticos, e joga na nossa rede elétrica. Por isso, estas duas partes (módulos e inversor) são as partes mais importantes do sistema. A energia gerada desta forma tem uma fração dela consumida na hora, pelas lâmpadas, eletrodomésticos e máquinas ligados no momento. Seu excedente é enviado para a rede da distribuidora, que fornece créditos para a unidade consumidora abater na sua conta de luz. Quando chega a noite, e a geração de energia é interrompida pela falta de luz solar, utilizamos estes créditos gerados durante o dia para o abatimento da energia consumida no período.

Os sistemas têm sua potência calculada de modo que o cliente pague apenas a taxa de disponibilidade. Esta compensação de créditos é feita de maneira automática na hora da emissão da conta de luz. Portanto, tecnicamente não há “armazenamento” de energia. O excedente é transformado em créditos junto à distribuidora e convertido em economia para o proprietário do sistema.

Com intuito de te informar quanto aos preços, assim evitando surpresas, fizemos uma pesquisa de mercado em Janeiro de 2018. O custo de um sistema de energia solar fotovoltaico depende principalmente da quão complexo é a instalação e do tamanho do equipamento que será necessário. A grande variação de preço entre os fornecedores é relacionada à: qualidade dos componentes utilizados; o tamanho da empresa, pois empresas maiores tem mais poder de compra e por isso compram mais barato; complexidade da instalação.

Observação: Estes preços são aproximados, com instalação e projeto, assumindo a utilização de componentes de qualidade.

Uma pesquisa feita junto a 4500 empresas que oferecem esse tipo e serviço, constatou em Julho de 2018 que, temos os seguintes preços médios dos geradores de energia solar, já incluso o projeto, a instalação, o equipamento completo e a homologação:

Preço de Usinas de Energia Solar Fotovoltaica:
• 5MW – R$17.5 a 20 milhões.
• 30MW – R$105 a 120 milhões.

Preço Médio da Energia Solar Fotovoltaica para Comércios e Indústrias:
• Sistema de 15.84Kwp preço de R$ 75.308,73
• Sistema de 18.81Kwp preço de R$ 85.570,00
• Sistema de 22.44Kwp preço de R$ 98.674,00
• Sistema de 26.40Kwp preço de R$ 106.503,40
• Sistema de 53.46Kwp preço de R$ 204.955,00
• Sistema de 66.00Kwp preço de R$ 245.511,00
• Sistema de 75.24Kwp preço de R$ 284.780,00
• Sistema de 102.30Kwp preço de R$ 378.850,00
• Sistema de 204,60Kwp preço de R$ 726.350,00
• Sistema de 306,90Kwp preço de R$ 1.130.200,00
Preço Médio da Energia Solar Fotovoltaica Residencial:
• Casa pequena, de 2 pessoas = Sistema de 1.32Kwp preço de R$ 10.673,36
• Casa média, de 3 a 4 pessoas = Sistema de 2,64Kwp preço de R$ 17.570,00
• Casa média, 4 pessoas = Sistema de 3,3Kwp preço de R$ 20.320,00
• Casa grande, 4 a 5 pessoas = Sistema de 4,62Kwp preço de R$ 25.695,00
• Casa grande, 5 pessoas = Sistema de 6,6Kwp preço de R$ 32.410,00
• Mansões, mais de 5 pessoas = Sistemas de até 10,56Kwp preço de R$ 52,240,00

Os módulos têm vida útil estimada entre 25 e 30 anos para uma geração aceitável de energia. Inclusive, todos do mercado têm, atualmente, garantia de fábrica de 25 anos para geração de pelo menos 80% de seu potencial. Os inversores, por sua vez, têm uma vida estimada entre 12 e 15 anos, necessitando sua troca na metade do tempo de duração de um sistema.

Hoje um sistema solar residencial se paga entre 4 e 6 anos, portanto se levarmos em consideração os seus 30 anos estimados de funcionamento, teremos entre 24 e 26 anos de pura economia. Hoje o solar já é mais rentável do que muitos outros investimentos como, por exemplo, a famosa caderneta de poupança, trazendo um retorno maior ao investidor, afinal de contas poupança rende em média 5% ao ano, já a energia solar fotovoltaica te retorna entre 8% e 18% ao ano.

Embora as pessoas pesem que o preço da energia solar fotovoltaica é elevado, se comparada como outros investimentos o preço da energia solar é barato. Um exemplo disso é comparar o custo de um carro com o de investir em energia solar.

Carro: Vamos supor que você queira comprar um carro 0 Km de R$ 60.000,00. Você vai ter um custo no primeiro ano ( sem contabilizar o gasto com gasolina) de aproximadamente:
R$ 1800 (IPVA),
R$ 2000 (Seguro),
R$ 700 (primeira revisão)
R$ 8.000 (depreciação).
Total de custo no primeiro ano de R$ 12.500.

ENERGIA SOLAR: Você investe R$22.000,00 em um sistema fotovoltaico de 3.3kWp (apx).
Economia no Primeiro ano R$ 4.000,00
Gasto com manutenção no primeiro ano R$ 0
Total de ganho: R$ 4.000,00

Ou seja, se você quer economizar dinheiro e esta pensando em comprar um carro novo,  é melhor que você compre um carro de R$38.000 e invista  R$ 22.000 em um sistema fotovoltaico.

Além disso, a energia solar valoriza a sua casa, afinal de contas uma casa com um sistema de energia solar é muito superior a qualquer outra casa sem esse mesmo mecanismo, pois a sua gera a própria energia, sem que seja necessário gastar normalmente com a conta de luz.

Atualmente, a matriz energética brasileira é sustentada, em sua maioria, pelas hidrelétricas e termoelétricas, que causam impacto ao meio ambiente, possuem alto custo de geração e envolvem muitas perdas energéticas.
A geração fotovoltaica busca sustentabilidade ao utilizar uma fonte limpa de geração de energia, trazer uma energia mais barata e, principalmente, otimizar a geração de energia na matriz energética brasileira.

Email

profieng@profieng.com.br

Telefone/WhatsApp

(16) 99616-5382 / (16) 99617-1675 / (16) 3443-8516

Endereço

Rua Padre Manoel Bernardes 1607 - Jardim Bela Vista - Ribeirão Preto - SP - Brasil

© Desenvolvido por @rodrigoclarodesigner. Todos os direitos reservados.

Categorias
Uncategorized

Geração de Energia por Biomassa

Energia e automação

Geração de Energia por Biomassa, neste artigo entenda mais sobre esse assunto.

O que é Biomassa?

Biomassa é toda matéria orgânica de origem vegetal ou animal, que possa ser transformada em energia mecânica, térmica ou elétrica, ou seja, através de alguns materiais é possível gerar energia para uma determinada necessidade.

Tem sito muito utilizado nos últimos anos em função das preocupações relacionadas às fontes de energia. A biomassa como geração de energia vem tendo cada vez mais representatividade no Brasil. Do ponto de vista da ecologia, biomassa é a quantia total de matéria viva presente num ecossistema ou em uma população animal ou vegetal.

A biomassa conta com recursos naturais renováveis, contratiamente aos combustíveis fósseis.

Materiais em destaque que são usados para gerar energia

Entre os materiais como recursos, a cana-de-açúcar é um recursos com grande potencial, dentre as fontes de biomassa, para geração de eletricidade no país, utilizando o bagaço e a palha.

  • A lenha é muito utilizada para produção de energia por biomassa – no Brasil, já representou 40% da produção energética primária. A grande desvantagem é o desmatamento das florestas, porém, vale destacar que existe a possibilidade de utilizarmos a floresta plantada evitando assim a utilização de florestas nativas.
  • Cana-de-açúcar – no Brasil, diversas usinas de açúcar e destilarias estão produzindo metano a partir da vinhaça. O gás resultante está sendo utilizado como combustível para o funcionamento de motores estacionários das usinas e de seus caminhões. O equipamento onde se processa a queima ou a digestão da biomassa é chamado de biodigestor. Numa destilaria com produção diária de 100.000 litros de álcool e 1.500 m³ de vinhaça, possibilita a obtenção de 24.000 m³ de biogás, equivalente a 247,5 bilhões de calorias. O biogás obtido poderia ser utilizado diretamente nas caldeiras, liberando maior quantidade de bagaço para geração de energia elétrica através de termoelétricas, ou gerar 2.916 kW de potência, suficiente para suprir o consumo doméstico de 25.000 famílias;
  • Serragem (ou serrim, ou ainda serradura);
  • Papel já utilizado;
  • Galhos e folhas decorrentes da poda de árvores em cidades ou casas;
  • Embalagens de papelão descartadas após a aquisição de diversos eletrodomésticos ou outros produtos;
  • Casca de arroz;
  • Capim-elefante;
  • Lodo de ETE: Especialmente os provenientes do processo de lodos ativados amplamente utilizados na indústria têxtil;

Produtos derivados da biomassa

Alguns exemplos de produtos derivados da biomassa são:

  • Bio-óleo: líquido negro obtido por meio do processo de pirólise cujas destinações principais são aquecimento e geração de energia elétrica.
  • Biogás: metano obtido juntamente com dióxido de carbono por meio da decomposição de materiais como resíduos, alimentos, esgoto e esterco em digestores de biomassa.
  • Etanol celulósico: etanol obtido alternativamente por dois processos. Em um deles a biomassa, formada basicamente por moléculas de celulose, é submetida ao processo de hidrólise enzimática, utilizando várias enzimas, como a celulase, celobiase e β-glicosidase. O outro processo é composto pela execução sucessiva das três seguintes fases: gasificação, fermentação e destilação.
  • Bioetanol “comum”: feito no Brasil à base do sumo extraído da cana de açúcar (caldo de cana). Há países que empregam milho (caso dos Estados Unidos) e beterraba (da França) para a sua produção. O sistema à base de cana-de-açúcar empregado no Brasil é mais viável do que o utilizado pelo americano e francês.
  • Biogasolina: substituta da gasolina, produzida de matéria-prima vegetal (açúcar, celulose, etc.).
  • Biodiesel: éster produzido com óleos vegetais como do dendê, da mamona, do sorgo e da soja, etc.
  • Óleo vegetal: Pode ser usado em motores diesel usando a tecnologia Elsbett.
  • Lenha: Forma mais antiga de utilização da Biomassa.
  • Carvão vegetal: Sólido negro obtido pela carbonização pirogenal da lenha ou carbonização hidrotermal.
  • Turfa: Material orgânico, semi decomposto encontrado em regiões pantanosas.
  • Gás pobre (gás de síntese): produzido por gasogênios que realizam a combustão controlada e parcial de biomassa.

Vantagens da utilização da Biomassa

  • É uma energia renovável;
  • É pouco poluente, não emitindo dióxido de carbono (de acordo com o ciclo natural de carbono neutro);
  •  
  • A biomassa sólida é extremamente barata, sendo as suas cinzas menos agressivas para o ambiente;
  • Verifica-se uma menor corrosão dos equipamentos (caldeiras, fornos, etc.);
  • A não emissão de dióxido de enxofre, tão poluente ao meio ambiente;
  • Menor risco ambiental;
  • As emissões não contribuem para o efeito estufa.

Desvantagens da utilização da Biomassa

  • Desflorestação de florestas, além da destruição de habitats;
  • Possui um menor poder calorífico quando comparado com outros combustíveis;
  • Os biocombustíveis líquidos contribuem para a formação de chuvas ácidas;
  • Dificuldades no transporte e no armazenamento de biomassa sólida;
  • Custo elevado na aquisição de equipamentos industriais;
  • Maior possibilidade de geração de material, particulado na atmosfera. Isto significa maior custo de investimento para caldeira e equipamentos de remoção de material particulado lançado no meio ambiente;
  • Dificuldade na estocagem e no armazenamento dos resíduos.

Neste artigo procurei abordar este assunto da Biomassa que vem crescendo e sendo estudado no Brasil e no Mundo. Caso você possua uma dúvida estou à disposição.

Email

profieng@profieng.com.br

Telefone/WhatsApp

(16) 99616-5382 / (16) 99617-1675 / (16) 3443-8516

Endereço

Rua Padre Manoel Bernardes 1607 - Jardim Bela Vista - Ribeirão Preto - SP - Brasil

© Desenvolvido por @rodrigoclarodesigner. Todos os direitos reservados.